VERSIDADE

Como ser um poeta do silêncio
e escrever com o vazio?
Na arte, a escrita logo foge
pra mata do sentimento,
onde não há trilhas asfaltadas
de compreensão.
Ela parte do deserto,
mas se abriga na selva
densa, cerrada,
é palavra-curupira
com seus pés contrários,
palavra-saci caminhando aos saltos,
palavra-iara
submersa na água clara.
Procurá-la do alto
é não achar, na certa.
Vá pro chão explorar,
desbravar a terra
– não como bandeirante,
mas suave como um caboclo,
sagaz e simples como um mateiro.
A palavra exala úmida e fresca,
seu cheiro é forte e gostoso,
não a comeremos,
saberemos a sua presença
sem a tocar
e, com o tempo,
pode ser
que chova em nós.

Um comentário em “VERSIDADE

Deixe uma resposta para Cristina Mayrink Cancelar resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s