NA VARANDA

Sentada na varanda
Regina se deixou levar
pelo hálito da montanha
e a eletricidade no ar.
Ela reparou – veja só –
que há dança nas coisas.

– Não, não há dança nelas!
São dança elas mesmas,
comenta pela janela,
por entre uma rosa seca
e um cravo que viceja.

– Se já não sou como era,
ainda danço, veja.
Estava leve, ela,
na varanda,
como folha que voeja.

Regina olhava o céu
como quem conseguisse
ver o próprio tempo.
O balé da vida estava em seus olhos,
eu via.

Os pássaros, as palmas, a chuva.
E assim Regina deixou a varanda
para integrar a paisagem.

Da janela nós a vemos como a banda
de passagem
contando coisas de amor.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s